Porque nossa banda larga é tão ruim?

Em meio a dezenas de questionamentos de nossos clientes sobre porque nossa internet (banda larga) é tão ruim, resolvi direcionar minha primeira coluna aqui no blog para esta questão. Vou tentar dividir o problema em blocos isolados, a fim de facilitar o entendimento. Vamos lá!

A infraestrutura.

Apesar do que é anunciando o tempo todo pelas empresas do setor, nossa infraestrutura é em sua grande maioria obsoleta, não sofre a devida manutenção e vive em continuo estado de sobrecarga. Além disso, os servidores DNS nativos das operadoras possuem muitos atrasos no refresh de suas tabelas, aumentando o tempo de resposta entre uma ponta à outra. No tocante ao congestionamento dos links, isso é provocado pela venda além da capacidade de administração de serviços, ou seja, se vende muito mais “internet” do se é capaz de produzir. Isso se dá, pois a Anatel obriga as operadoras a fornecer no mínimo 30%* da velocidade contratada, isso quer dizer que se você contrata um plano de 10Mbps, e a operadora lhe entrega 3 Mbps. O que por si só em um absurdo completo. Seria como se você entrasse em um açougue, pagasse por 1kg de carne e lhe fosse entregue apenas 300g. Apoiada nessa premissa ridícula, as operadoras vendem a três clientes planos de 10Mbps, entregam de forma legal e homologada pelo órgão regulamentador apenas 30%, isso significa que o que deveria ser entregue a apenas um cliente, é divido por três, aumentado o grid de clientes, sem aumentar a infraestrutura, apenas os lucros. Isso para não falarmos da interrupção intermitente do serviço para se promover um rodizio de clientes, como em uma dança das cadeiras.

Por situações como esta, o Brasil fechou o ano de 2014 como 89º posição em termos de desempenho de sua internet, ficando atrás de Colômbia, Equador, Peru, Argentina, Chile, Uruguai, nossos vizinhos próximos. Um resultado ainda pior que o ano de 2013, quando ocupava a 86º posição.  Em relação ao custo da internet, a situação e bem diferente, onde ocupamos a 2º posição.

A outra ponta, o cliente.

Mesmo as operadoras sendo as grandes vilãs no que diz respeito à qualidade do serviço, o usuário também tem sua parte de culpa no resultado. As redes domesticas muitas vezes montadas sobre equipamentos de baixa qualidade e com configurações de funcionamento inadequadas.  Isso em parte se deve a orientação equivocada por parte de “profissionais” com conhecimento técnico limitado ou má índole (em alguns casos, ambos!). Além disso, a completa falta de critério do usuário na instalação de aplicativos e o pouco caso com a segurança do sistema.

Tudo bem, e agora?

Existem medidas que podem ser tomadas para atenuar as dificuldades e tornar a internet melhor, dentro do que é fornecido pela operadora. Vou listar algumas delas:

1 – Procure uma empresa/profissional efetivamente capacitado para implementar sua rede domestica. Este será capaz de lhe indicar os equipamentos adequados a sua necessidade, desta forma garantindo um bom desempenho de sua infraestrutura.

2 – Cuidado com programas piratas! Ninguém vai lhe fornecer um programa que muitas vezes custa centenas de dólares de graça porque é bonzinho e você é uma pessoa legal! Os famosos cracks ou ativadores contem códigos maliciosos que transformam seu computador em um propagador de vírus, um divulgador de spam ou mesmo membro de uma botnet, que é usada para atividades ilegais através da internet.

3 – Utilize um aplicativo de Firewall. Para ser breve? Segue pequena explicação sobre o que é um Firewall: se trata de um aplicativo que monitora a atividade de entrada e saída de dados em seu adaptador de rede, deste modo, permitindo a você controlar que programa esta acessando a sua internet e bloquear tal acesso caso este não tenha sido solicitado. Algumas suítes de antivírus possuem este recurso, mais na maioria dos casos em suas versões pagas. Caso seu antivírus não possua um Firewall nativo, existem muitas opções gratuitas que realizam bem este papel.

 4- Utilizar os DNS do Google ou OpenDNS. Pulando assim o atraso na resposta causado pelos servidores DNS das operadoras.

 Você não pode mudar a qualidade do serviço que lhe é vendido, mas pode pelo menos cuidar para que o que é entregue funcione melhor. Não se esqueça de sempre registrar os períodos de não funcionamento do serviço contratado, pois segundo normativa da Anatel, qualquer interrupção acima de 30 minutos é passiva de reembolso junto ao cliente. Anote e guarde sempre os protocolos de ligação, anotando a data, hora e o nome do atendente e o que lhe foi dito.

 Espero ter ajudado e até a próxima!

 * Para o ano de 2014 estava previsto o aumento para 40%, no entando tal medida ainda não entrou em vigor na metodologia operacional das operadoras.

Este texto foi útil? Compartilhe!
Diogo Garcia

Diogo Garcia

IT Infrastructure Analyst |Atuando a mais de 18 anos no segmento de Tecnologia da Informação.